Sa����de

Anunciantes do Jornal


Pizzaria Pignoli

Academia Estação Saúde

Ô PASTEL!

Pesquise no Jornal

Sociedades de Bairros

Saiba onde retirar seu exemplar!
Vitor Lourenço

Doença do beijo ataca adultos, adolescentes e crianças

26/01/2004

RIO DE JANEIRO - Aviso aos que gostam de beijar muito! É melhor se certificar sobre o estado de saúde e a higiene da boca que se pretende beijar. Os riscos são muitos, mas existe um particularmente preocupante que é o de contrair a mononucleose infecciosa, também conhecida como doença do beijo. Estimativas de pesquisadores internacionais indicam que pelo menos 95% das pessoas adultas já contraíram a virose em alguma época da vida. Transmitida pela saliva através do vírus Epstein-Bar e mais raramente por transfusão de sangue ou contato sexual, ela é comum em adultos jovens, adolescentes e crianças.

Muitas vezes confundida com um resfriado passageiro, os sintomas da virose são dor de garganta, febre, mal estar, fadiga, aumento dos gânglios, que ficam doloridos, do baço e do fígado. Cerca de 8% das pessoas que contraem a doença podem apresentar o rash, uma espécie de irritação que deixa a pele com pontos vermelhos. "Dura cerca de cinco dias e desaparece sem deixar cicatriz", diz a dermatologista Maria Luciana Lopes.

Conforme a também pediatra, Lenir Nascimento da Silva, supervisora da creche da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, em alguns casos, mesmo após se curar, a pessoa continua capaz de infectar outras por até um ano. Ela adianta que além do exame clínico, alterações no hemograma ajudam a diagnosticar a doença. "A maioria desenvolve a forma assintomática da virose e nem fica sabendo que contraiu mononucleose". O período de incubação varia de 30 a 45 dias.

Como o vírus é transmitido pela saliva, os médicos recomendam que as pessoas tenham cuidado e evitem compartilhar objetos como copos, talheres e batons. A pedagoga Karine Veloso Dourado suspeita que foi na escola, possivelmente usando o copo de outra criança por engano ou vice-versa, que a sua filha Marcela, de 8 anos, contraiu a virose. "A pediatra mandou que ela ficasse em repouso absoluto", lembrou a pedagoga. Marcela teve inchaço no baço, dor de cabeça, fadiga e dor de garganta. O único remédio foi vitamina C, além de repouso.

De fato, não existe um medicamento específico para a doença nem vacinas para combatê-la. O que se trata, na verdade, são os sintomas. A auto-medicação não é aconselhada, pois não deve ser tratada com antibióticos. As chances de desenvolver rash na pele, por exemplo, pode aumentar entre 70% e 100% se a pessoa usar ampicilina ou penicilina. O uso de antitérmicos e analgésicos é mais comum, mas a utilização do tratamento ortomolecular é uma alternativa. "Frutas, vegetais, legumes, além das vitaminas C, E e dos minerais Zinco e Selênio, que ativam o sistema de defesa do corpo, são recomendáveis", diz a homeopata e médica ortomolecular, Diana Campos.

ABN Notícias

Redação / ABN Notícias

Indicar esta página à um amigo

 

Matérias Anteriores:

 

Jornal Bairros em Notícia

Fone (19) 3233.3201 ou (19) 9128.0775
contato@bairrosemnoticia.com.br
Caixa Postal 756 - CEP 13001-970 - Campinas - SP